Quantcast

Uma assombrosa viagem de altura atravessando campos de cardones - flora regional-, bosques de amieiros e povoados de pastores. Paisagens que as palavras não podem descrever.

O Trem às Nuvens é um dos trens mais altos do mundo. Parte da cidade de Salta (a 1.187 m.s.n.m.) e finaliza no Viaduto La Polvorilla (a 4.220 m.s.n.m.). Em seu trajeto percorre um caminho que leva até as nuvens com tempo suficiente para desfrutar das paisagens mutáveis, desde os verdes cerros do Valle de Lerma, onde está situada a cidade de Salta, até a imensidade desolada da Puna. Uma experiência cultural e paisagística inesquecível que em suas origens foi o resultado do desejo de conectar a Salta com o Chile através da Cordilheira dos Andes. O engenheiro estadunidense Richard Maury, quem esteve à frente do projeto, planejou nos anos ’20 um traçado singular que se mantém desde então sobre um sistema complexo de voltas, zig-zags, viadutos, túneis e espirais e que hoje constitui uma das viagens mais impactantes do mundo.

Dentro de um trem que conta com todos os serviços necessários para que a experiência seja realmente muito aprazível, o viageiro parte da cidade de Salta, à primeira hora da manhã, atravessa o Vale de Lerma, internando-se na Quebrada del Toro e logo chega ao imenso território da Puna. O trem tem duas paradas e ambas se realizam quase no final do trajeto. A primeira, com certeza, é a de maior impacto: o Viaduto La Polvorilla. É aqui onde a imensidade da Puna e da obra ferroviária empreendida por Maury expressam seu carácter magnífico. O trem chega a La Polvorilla com a locomotiva empurrando pela parte detrás ( um pouco antes de chegar ao viaduto, é removida e passada para o final do bloco para facilitar o retorno).  Este viaduto se ergue a 63 metros da terra, e traça uma curva  de 224 metros de longitude. Quando finaliza o trajeto, os passageiros podem descer, sentir o ar limpo e frio sobre o rosto, andar devagar, para ir acostumando o corpo à altura e tirar fotografias incríveis que comprovam a chegada até as nuvens. A segunda parada é a de San Antonio de los Cobres, um antigo povoado onde é possível conhecer o estilo de vida e algumas das expressões culturais da região: danças e músicas tradicionais, artesanato e tecidos de lã de lhama, vicunha e alpaca. A partir daqui, a viagem continua de ônibus, de volta para a cidade de Salta.

 

O trem percorre um trajeto de 217 km, com uma velocidade de 35 km/h. Conta com um vagão restaurante, consultório médico, áudio, vídeo e serviço de guias bilíngues. Parte-se da cidade de Salta à primeira hora da manhã e o retorno se realiza de ônibus, por volta das 9h da noite, atravessando à Quebrada do Touro, com uma parada no belíssimo povoado de Santa Rosa de Tastil para conhecer o Museu de Sitio.

IMPORTANTE: Recomenda-se reservar as entradas com antecipação, devido à alta demanda. O Trem às Nuvens não funciona durante os meses de verão (época de chuvas). Sugere-se levar agasalho, comer comidas leves na noite anterior e descansar bem previamente, para poder desfrutar de uma das experiências turísticas mais incríveis da cidade de Salta.

Share Share Share Share

Mais para ver