Quantcast

No Estado de Santa Fe, na beira do rio Paraná, uma das cidades mais importantes da Argentina: histórica, cultural, futebolística e natural.

Situada na zona sul do Estado de Santa Fe, a 300 km da cidade de Buenos Aires, Rosário é, por diversos aspectos, uma grande urbe. Nascida nas margens do rio Paraná, é um epicentro comercial e de negócios de grande relevância para a atividade produtiva da Argentina. Uma cidade com variadas propostas culturais e recreativas para passar momentos agradáveis em família, para casais, ou para desfrutar com amigos. Um lugar para descobrir períodos fundamentais da história do país. E um destino onde gozar, também, da natureza próxima: Rosário, a grande cidade, vive vinculada com o rio que a abraça.


Conhecida como “berço da bandeira”, ostenta orgulhosa o Monumento Nacional à Bandeira, uma impactante construção de 10.000 m2 erigida em homenagem ao General Manuel Belgrano, criador da bandeira argentina -e figura essencial nas gestas pela independência nacional-, quem ergueu por primeira vez o emblema nacional em 1812 nas margens do rio Paraná. Este monumento é hoje sede de numerosos eventos culturais e desde seu mirante se obtém uma imponente panorâmica da cidade. Nas redondezas, as barrancas constituem um espaço verde do qual é possível desfrutar do encanto do caudaloso rio. A natureza se desfruta em Rosário caminhando pela “Costanera”, percorrendo seus numerosos parques (o mais importante, o Parque Independência) ou navegando o próprio rio. Flora e fauna em estado silvestre, praias de areia e paradores nas ilhas próximas são parte da proposta natural desta urbe. 

Para percorrer a Rosário artística e histórica existem numerosos museus: o Museu da Cidade, o Museu Histórico Provincial “Julio Marc”, o Museu de Arte Contemporâneo (MACRO), o Museu de Arte Decorativo “Firma e Odilo Estévez”, o Museu Municipal de Belas Artes “Juan B. Castagnino”, o Museu Urbano Arte à Vista e o Museu da Memória, entre outros. Também vale a pena andar com o olho atento para poder apreciar a arquitetura do casco histórico: a Basílica Nossa Senhora do Rosario, o Palácio Municipal, o Correio e o edifício “Bola de Neve”.

No entanto, se a questão é descobrir o pulso cultural da cidade, nada melhor do que percorrer seus bares e centros culturais. Encontrar aquela “mesa dos galãs” da qual falava o escritor (de Rosário) Roberto Fontanarrosa, onde se debate com o mesmo fervor política e futebol, e onde a amizade se comemora como um culto. E palpitar uma agitada vida noturna, onde os jovens copam a cena.

Share Share Share Share

Mais para ver