Quantcast

Natureza, cultura, diversão e relatos de antigos tempos à beira do rio.

A 32 km da agitada, e sempre efervescente, cidade de Buenos Aires, o Delta do Tigre oferece um particular encontro com a natureza e a história. Aqui, o rio Paraná se abre formando seu próprio delta e uma multidão de canais, arroios e (outros) rios se apropriam da paisagem. Conhecê-lo é fácil. Tomando o Trem da Costa na estação Maipú, contornando o rio, chega-se à estação Delta, onde são múltiplas as alternativas.  É possível escolher entre uma excursão feita à medida ou percorrer os canais em uma das lanchas coletivas que utilizam os islenhos para deslocar-se habitualmente. Durante o passeio, poderá visitar uma área de ilhas interconectadas por pontes e caminhos, aproximar-se de uma casinha branca protegida por uma gigantesca urna de cristal que foi propriedade do Presidente Domingo Faustino Sarmento no século XIX, visitar as casas de Haroldo Conti em Arroyo Gambado e a de Rodolfo Walsh sobre o rio Carapachay, comer em um típico restaurante costeiro ou passear sem rumo fixo entre esplêndidos salgueiros. A beira-rio, manifestam-se as opções: o Parque da Costa, o casino Trilenium, a Vila de Marcos Sastre, o edifício do Clube de Remo conhecido como Tigre Hotel, as pérgolas da praça Manuel Belgrano, o Museu Naval da Nação. Antes da volta, vale a pena dedicar umas horas para fazer compras no Porto de Frutos, um famoso mercado ao ar livre situado entre ruas vestidas com as cores de tecidos rústicos, móveis, adornos e acessórios fabricados em cana e vime; um mundo de vitrines onde poderão ser degustados deliciosos doces e vários tipos de mel caseiro; adquirir flores brilhantes e, é claro, toda a variedade de frutas locais.

 

Para desfrutar do horizonte sem limite da água, partindo da cidade para o rio em direção ao norte, o melhor é entrar pelo Passeio da Costa, em Vicente López. Mais para frente, veremos passar a silhueta do Monumento do Fim do Milênio e, já em Lucila, pequena Reserva Ecológica de Vicente López será possível observar mais de 200 variedades de aves. A esta altura, o Trem da Costa se assoma sobre o rio em um antigo ramal que, desde 1896, uniu a estação de Retiro, na capital porteña, com na cidade de Tigre, no Estado de Buenos Aires. No caminho, a estação San Isidro é uma parada obrigatória. Zona parcelada, segundo a lenda pelo próprio Juan de Garay, fundador da cidade de Buenos Aires; Domingo de Acassuso decidiu levantar ali uma capela sob a proteção de San Isidro Labrador. Em 1898 se inaugurou a Catedral de San Isidro de estilo neogótico. Vale a pena parar para conhecer. Muito perto dali, está o Museu Pueyrredón e, seguindo em direção à cidade de Tigre, nas redondezas da estação Punta Chica, se destaca Villa Ocampo, uma residência do século XIX rodeada por um magnífico jardim que pertenceu à escritora Victoria Ocampo. Na cidade de Tigre, a vista do Porto de Frutos marca o final do percurso do trem. E, assim, o começo de uma nova experiência viageira, esta vez, para dentro do rio.

Share Share Share Share

Mais para ver