Quantcast

Na costa atlântica da Patagônia, uma experiência única, intransferível, imperdível.

A poucos metros da costa e para dentro do mar, entre a alegria efusiva e a emoção silenciosa que envolve os viageiros, as baleias –enormes- assomam sobre a superfície, improvisam saltos, mostram seus rabos, posam vaidosas para as fotos.

Em Puerto Madryn, nas praias de O Doradillo –a uns 15 km da cidade-, se aproximam tanto da costa que parece possível tocá-las apenas estirando os braços. Na Península Valdés se movimentam com total tranquilidade e confiança, e permitem que as embarcações se abordem para observá-las –e fotografá-las- em todo seu esplendor. Um encontro que acontece com respeito total: os homens e mulheres da Patagônia sabem que estes gigantes habitaram estas águas muito antes que eles, e que esta é a casa deles.

As empresas que oferecem o avistamento de baleias estão situadas, sem exceção, em Puerto Pirámides, na Península Valdés, a uns 100 km de Puerto Madryn. Estas navegações podem ser contratadas, por sua vez, através de agências de outras localidades turísticas da região. As saídas para o mar se realizam em barcos e embarcações de borracha semirrígidas em companhia de guias expertos.

Sobre a Baleia-franca-austral:

Monumento Natural dos mares do sul, a Baleia-franca-austral é uma espécie protegida que chega a medir 15 metros de comprimento e a pesar entre 40 e 45 toneladas. Chegam às águas do sul argentino durante o mês de junho, quando o frio começa a sentir-se com força nestas latitudes, para reproduzir-se e alimentar as suas crias. As últimas em marchar-se vão embora durante o mês de dezembro. 

Share Share Share Share

Mais para ver